Olá !!!
Mais um livro em que lemos. Como é bom ler e ver que o Senhor fala conosco de várias formas, e lendo livros cristãos é uma forma maravilhosa de receber a Sua palavra.
Segue alguns trechos extraídos do livro “A Presença do Pai – Reflexões de pais missionários”, organizado por Alicia Macedo.
Nele estão escritos vários testemunhos de pais onde eles colocam seu ponto de vista e sugestões de como ser um missionário e pai.
Espero que gostem.

  • Às vezes precisamos deixar tudo de lado para dar atenção para os nossos filhos.
  • Uma ótima sugestão, independente da idade da criança, é na hora de dormir ler a Bíblia juntos.
  • Coisa indispensável na vida de nossos filhos é que eles cresçam vendo os pais felizes como missionários.
  • Os missionários correm o risco de, ao procurarem ganhar os perdidos, perderem os da própria casa.
  • A melhor forma de um missionário investir no filho é dar-lhe o tempo que ele precisa, pois esse tempo é insubstituível, e nenhum programa pode, por melhor que seja, tomar o lugar do pai.
  • Creio que se Deus me chamou para a obra, ele também chamou aqueles que ele me deu como filhos.
  • Quantos e quantos pais estão orgulhosos porque seus filhos estão se preparando para serem doutores, advogados, juízes, empresários, economistas, até modelos, mas por que não missionários e pastores?
  • O melhor sermão não é aquele que ministro para as multidões, mas sim para minha própria família.
  • Pelo fato de inglês (ou outro) não estar em um bom nível, os FM (filhos dos missionários) muito às vezes são ignorados pelos amigos, sendo na escola ou em algum lugar que estejam brincando.
  • O papel do pai é fundamental para gerar um sentimento de segurança e de identificação.
  • Se perguntar para os FM quem são os melhores amigos deles, na maioria dos casos são os próprios pais.
  • Precisamos ajudar os nossos filhos a se ajustar ao novo contexto que estarão enfrentando.
  • Precisamos manter as crianças e a família bem informada e motivada quanto ao trabalho missionário.
  • Uma boa prática é partilhar os desafios, levá-los a orar por eles, compartilhar os bons resultados e envolve-los, mesmo que pontualmente em alguma dinâmica do campo.
  • Precisamos estar atentos às reais necessidades dos nossos filhos, pois muitas vezes estão passando conflitos e a dificuldade da língua pode ser um problema para eles se abrirem com os amigos.
  • Precisamos tornar os nossos lares a nossa pátria, nosso cantinho, onde encontrar refúgio, alegria e segurança. Passar tempo de qualidade (desligar iPod, iPad, iPhone, iNotebook, etc) juntos, tempo de oração, leitura da palavra, mostrando que Jesus também deixou sua pátria e cresceu aqui no mundo (cheio de pecadores como nós).
  • Nosso papel como pai é trazer segurança para os nossos filhos, mostrando que a nossa segurança e dependência em todos os momentos estão no Senhor.
  • Precisamos priorizar a família. Se minha família não vai bem, deixando ela ausente e em segundo plano, nossos filhos podem se afastar do Senhor, pois na visão deles os filhos não tem importância e a missão vem sempre na frente deles.
  • Precisamos entender que as crianças sofrem por estarem longe da família e amigos da terra natal.
  • A igreja pode ajudar para que os filhos dos missionários também se sentem parte do projeto do Senhor enviando cartas, ofertas e presentes em datas importantes para eles (Natal, Pascoa, Aniversário), dessa forma eles também vão se sentir lembrados pela igreja e por aqueles que ficaram na terra natal. Eles são parte integrante do nosso ministério.
  • Nosso primeiro campo missionário é nossa família e nossos filhos
  • A nossa decisão de sermos missionário afetará para sempre o modo como nossos filhos irão viver
  • O pai deve sempre andar ao lado do seu filhos, pois como diz Pv 22:6, “ensina a criança NO caminho em que deve andar, e ainda quando for velho, não se desviará dele”. Ensinar significa caminhar ao lado, e não apenas falar qual é o caminho certo.
  • Escolha um dia por semana para ser o dia da família, onde a prioridade total da sua atenção será os seus filhos.
  • A criança não pode se sentir como uma peça solta e que apenas está ali por que não poderia ficar para trás. Ela precisa estar participando do projeto, assim ela realmente dará valor no ministério.
  • Dividir as tarefas da casa entre pai e mãe é muito importante, pois assim a criança se senti cuidada e protegida pelos pais, como banho, fazer dormir, lanche, histórias, etc.
  • O filho será um espelho do pai/mãe. Sendo assim, ele será você amanhã, com a família e filhos.
  • O Pai é a segurança, pois normalmente tudo ao seu redor muda, como cidade, amigos, casa, etc.
  • Os devocionais e oração em casa são primordiais para dar segurança espiritual para a família, visto as frequentes mudanças e igreja fixa.