No início deste ano de 2012, apareceu na minha mão direita na parte de cima um cisto.
Bem no início não doía e nem incomodava, mas foi crescendo e passou a doer o braço todo. Esperei para ir ao médico para ver se sumia e falei com algumas pessoas e muitos foram os palpites.
Se aproximando para nossa ida para África, precisamos fazer vários exames, então fui ao médico especialista para ver essa “bolinha na mão”, que já estava me tirando o sono e doendo todos os dias.

O médico pediu um exame e ficou comprovado que era um cisto sinovial, benigno. Não era maligno, mas o problema era a dor. Muitas pessoas têm esses cistos no corpo e nunca incomoda, mas esse não era meu caso.

Na semana que levei o exame ao médico, começou a campanha “Deus Escolheu Você” e eu levei esse pedido de cura para o Senhor Jesus. Não queria bem nessa etapa de despedidas, de tantas mudanças acontecendo em minha vida e família ir para cirurgia, por mais simples que o médico disse ser.

Então em um dos cultos da campanha fui à frente e tive a que recebi a cura, porém o mais estranho era que o cisto e a dor não tinham desaparecido. Fiquei quieta e não falei a ninguém, mas em oração agradecia a Jesus pela cura e dizia que esperaria a cura vir no mundo físico.

Nesta sexta-feira dia 22 de junho de 2012 acordei e fui ao banheiro e não senti minha mão latejando e incomodando, passei a mão e não tinha mais nada. Para honra e glória do Senhor Jesus, a cura veio e bem no dia que mais precisava. Pois nesse dia levantei desanimada, chorando e triste, pois foi que fizemos nossa mudança, ou melhor, arrumamos nossas 6 malas para já a noite estarmos na casa dos meus pais. Precisava de forças, de muita fé, para selecionar o que deixaria e o que levaria para África. E me sentia sem chão, pois estava deixando a minha casa, mas ao mesmo tempo alegre por estarmos sendo obedientes a Deus e cumprindo os seus propósitos em nossas vidas. Deus é fiél sempre e seus planos são perfeitos para cada um de seus filhos. Te amo JESUS!

“Por isso não desanimamos. Embora exteriormente, estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós uma glória eterna que pesa mais do que todos eles. Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno.” ( 2 Coríntios 4:16-18)